Diário

#12 Despedida da Hungria; susto na fronteira com a Romênia

Fronteira entre Hungria e Romênia
Fronteira entre Hungria e Romênia – desculpe a baixa qualidade. 🙂

Os 50 dias que ficamos no Tranquil Pines Camping, em Koppányszántó, Tolna, Hungria, foram tão bacanas que, na despedida, não deu outra: choradeira na certa! As partidas são quase sempre momentos intensos emocionalmente. Porém, devido às limitações impostas pelo Tratado de Schengen – o qual vive nos perseguindo -, era hora de partirmos, pois, pelos nossos cálculos, fecharíamos os famosos 90 dias a cada 180 dias no dia 21/05/2019. No início da tarde de domingo, no dia 19/05, pegamos uma carona com o Andrew (nosso anfitrião no Tranquil Pines Camping) até Budapeste (capital da Hungria). Antes de partir para a Romênia, ainda tínhamos que passar na Embaixada do Brasil na segunda-feira de manhã para retirar nossas procurações (clique aqui para assistir um vídeo sobre como fizemos para solicitar a procuração), encaminhadas na semana anterior.

Da mesma forma que fizemos na semana anterior, optamos por ficar no Meander Hostel, pois, além de ser uma opção super barata (custou HUF 5000 para 2 pessoas e 1 noite, o que equivale a EUR 7.66 por pessoa, por noite ou R$ 34.65 por pessoa, por noite), poderíamos novamente fazer tudo à pé, já que o hostel é muito próximo da Embaixada, do centro da cidade e dos meios de transporte que precisaríamos para irmos até a estação Nepliget, onde pegaríamos o ônibus Flixbus para Romênia.

Tudo correu bem com a questão da papelada. Não eram nem 10 da manhã quando já estávamos de volta ao hostel. Fizemos checkout e ficamos no hostel até a hora de ir para Nepliget.

Apesar das quase 10 horas de espera, o tempo passou depressa e, após um dia inteiro de edições de vídeo, trabalhos online, etc., chegou a hora de colocar as mochilas nas costas e partir.

Eu (Xande) com uma mochila cargueira nas costas e uma mochila pequena na frente, mais uma sacola carregada com sobras de comida e Bê com uma mochila nas costas, mais a mala de puxar. Seguimos pelas ruas de Budapeste até a estação.

Estávamos adiantados para o ônibus que deveria partir às 23:00.

Após mais algumas horas de espera, embarcamos para a jornada de 9 horas rumo à Romênia.

Apesar do ônibus não ser nada confortável, estávamos cansados e dormimos.

Passadas quase 5 horas, estávamos na fronteira com a Romênia.

Quando se atravessa a fronteira de ônibus, o motorista para e um policial de fronteira entra no ônibus e solicita os documentos de todos os passageiros. Nessas horas, sempre rola uma tensão. Inclusive porque já havíamos lido relatos de brasileiros que tiveram atrasos, pelo simples fato de… serem brasileiros.

Entregamos nossos passaportes e aguardamos, torcendo para que tudo fluísse normalmente e os passaportes viessem carimbados.

Não foi bem assim!

Alguns minutos depois, o policial entra no ônibus chamando um nome:

– Betina? Betina?

Quase não podia acreditar… Era exatamente igual ao relato que havíamos lido…

A Bê se acusou e o policial solicitou que ela descesse. Desci junto, pois imaginei que talvez eles falassem inglês. Por sorte, o colega do policial falava inglês e pudemos nos comunicar. Ele disse:

– My friend will have to fill a ticket because she overstayed. (Meu amigo terá que preencher uma multa porque ela ficou além do tempo permitido.)

Em meio à tensão do momento, eu respirei e, incrivelmente, consegui responder com tranquilidade:

– There must be something wrong. We never overstay. And we calculate very carefully how long we can stay in each country. (Deve haver algum engano. Nós nunca ficamos além do prazo. E nós calculamos com muito cuidado quanto tempo podemos ficar em cada país.)

Segundo o policial, nós havíamos ficado por 91 dias em Schengen, quando o permitido é 90.

Argumentei mais um pouco, até que, acho eu, consegui colocar uma dúvida no ar. Os dois abriram um calendário no computador e começaram a calcular…

Nós havíamos entrado em Schengen dia 20/02/2019, quando voamos de Londres para Viena. Seguindo a regra dos 90 dias a cada período de 180 dias, calculamos (mais de 3 vezes) que nossa data máxima de saída seria 21/05/2019. Naquele momento, eram 2 horas da manhã do dia 21/05. Portanto, estávamos realmente no nosso último dia!

Após mais alguns cálculos e perguntas do tipo “Vocês pretendem voltar para Schengen?”, “Quando vocês voltarão para o Brasil?”, “Vocês sabem que não podem ficar mais do que 90 dias em Schengen?”, finalmente ouvimos o que queríamos:

– Ok, ok, go back to the bus! (Está bem! Está bem! Voltem para o ônibus!)

UFAAAA!

Mais alguns minutos de espera até que o passaporte fosse carimbado e devolvido, mas não sem caras feias no ônibus devido ao atraso que causamos.

Finalmente estávamos na Romênia!

Parabéns pra você que leu até aqui! Para quem ainda quer um pouco mais, aqui vai uma leitura bônus pra você saber como foi o resto da viagem até Cluj-Napoca, nossa primeira parada na Romênia.

Entre um cochilo e outro, quando percebemos, já tinham se passado mais 5 horas de viagem e havíamos chegado em Cluj-Napoca. Abaixo de chuva, na cidade desconhecida, no país desconhecido, num sistema de transporte público desconhecido, numa moeda nova e numa língua nova, nos equipamos novamente com nossas mochilas e mala e caminhamos da estação de ônibus interurbanos até a estação de trem e, em seguida, até a estação de ônibus urbanos. Foram apenas 10 minutos, mas suficientes para ficarmos bastante ensopados.

É interessante que, conforme vamos passando por mais e mais locais e tendo que lidar com sistemas diferentes, começamos a notar um certo padrão. Isso torna as coisas mais fáceis e faz com que consigamos descobrir com um pouco menos de dificuldade como as coisas funcionam em cada lugar.

Uma olhada aqui e outra ali, descobrimos como comprar bilhete para o ônibus e rumamos para nosso próximo destino: o hostel YouThink, onde ficamos por pelo menos 2 semanas.

Neste momento, estamos acomodados, prontos para iniciar a estada e ansiosos pelo que vem pela frente em meio aos novos amigos Romenos, Austríacos, Holandeses, Alemães… Com certeza será um período de muita troca cultural.

Veremos!

2 comentários em “#12 Despedida da Hungria; susto na fronteira com a Romênia”

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *